Participe do Blog Pensando Alto!

4 de abril de 2013

A REVOLUÇÃO RUSSA 1917: A VITÓRIA DO SOCIALISMO E A CONSTRUÇÃO DE UM NOVO REGIME NA URSS.

Revolucionários liderados por Lênin. Representantes dos bolcheviques.


DEFINIÇÃO: A Revolução Russa consistiu na queda do regime monárquico czarista, para implementação do socialismo, como um governo que buscava a igualdade da sociedade, o crescimento econômico e a prosperidade. Teria esta revolução alcançado seus objetivos?

A RÚSSIA ANTES DA REVOLUÇÃO:

 
O czar detinha o poder absoluto na Rússia, exercendo um regime autocrático, centralizado como uma monarquia absoluta. A nobreza possuía a metade das terras aráveis. A industrialização, a partir de 1880, atingia um estágio de crescimento no país, e junto com teve início a formação da classe operária. A classe operária, como em todo o regime capitalista, vivia sob o controle da burguesia e sofria com as péssimas condições de trabalho como: uma jornada extensa de trabalho, exploração, baixos salários e péssimas condições de vida.
No campo, a organização pela terra e pelo trabalho coletivo era denominada de Comuna Agrária, e era responsável por gerar e tornar coletiva a produção artesanal. As terras pertenciam aos nobres, porém os camponeses a consideravam coletivas, acreditando que apenas seu trabalho pertencia aos nobres.

A Rússia atingiu seu crescimento sob a base industrial manufatureira não havendo uma preocupação com a Revolução Industrial, ou seja, não havia preocupação em acompanhar o desenvolvimento das tecnologias industriais.

No governo de Nicolau II (1894/1914), o Estado czarista contribuiu para o financiamento da industrialização, determinou o fim da servidão, mas não eliminou as Comunas Agrárias – espécie de sindicato dos trabalhadores do campo. A classe operária se formou a partir do campesinato organizado coletivamente.

O czar também procurou investir em guerras expansionistas, que buscavam ampliar o território e o império russo. Um exemplo foi a tentativa de tomar a Coréia do Japão em 1905.

Eram constantes as tensões no campo. Os camponeses queriam obter o direito a terra em que cultivavam, pressionando o governo através das Comunas Agrárias. Em 1907 implementa-se a Reforma Agrária, procurando dissolver as Comunas, porém ambas foram fracassadas. A reforma não ocorreu, as comunas não se desfizeram e as tensões continuaram.

Em 1914 a Rússia entrou na 1ª Guerra Mundial e a tensão aumentou. Os partidos políticos começaram então a entrar em ação.
 

FORMAÇÃO DO PARTIDO COMUNISTA E INTENSIFICAÇÃO DA REVOLUÇÃO.  

O socialismo da Rússia não obteve a formação na classe operária como escrevia Marx. O país por ser essencialmente agrário teve seu fortalecimento nas Comunas Agrárias que lutavam pela liberdade e também pelo fim do controle das terras pela nobreza – uma espécie de socialismo rural.
O Partido Social-Democrata Russo foi fundado em 1890 determinando diferentes gerações de comunistas, e teve como líderes Lênin e seus seguidores. A formação do partido permitiu a percepção de diferentes linhas revolucionárias que se esbarravam na mesma ideologia: a derrubada do czar e a implementação do socialismo, porém com posições opostas:
Os bolcheviques, liderados por Lênin defendiam a revolução imediata, com a implementação da ditadura do proletariado conduzida por um partido operário-camponês. A revolução deveria ser feita e o socialismo adotado aos moldes marxistas.
Os mencheviques (que significa minoria) achavam que era preciso esperar o desenvolvimento capitalista para então começar a revolução. Este partido era conduzido pela burguesia e apoiado pelos camponeses.
Os bolcheviques se organizaram, e possuíam um rigor revolucionário, agiam para derrubar e matar o czar, a partir de ações terroristas. Lutavam contra governantes populista que procuravam obter o apoio dos camponeses.
Trotski uniu-se aos bolcheviques.


Lênin: líder do partido bolchevique.
Leon Trotsky: outra liderança importante dos bolcheviques

Em janeiro de 1907 ocorreu o “Domingo Sangrento”, onde os revolucionários se rebeleram contra os cossacos – soldados czaristas. Os marinheiros do Encouraçado Potemkin, também se amotinaram contra o governo. A revolução assumiu todos os setores sociais.
Foram criados os sovietes: conselhos de operários voltados para organização e concretização dos objetivos revolucionários. Em resposta aos sovietes e procurando acalmar a situação interna, o czar convocou eleições para Duma legislativa, o parlamento, abrindo espaço para a participação da classe média camponesa, buscando apoio e dificultando a capilarização socialista.

A REAÇÃO BURGUESA E O APOIO EXTERNO:

Com a entrada da Rússia na 1ª Grande Guerra, a situação interna do país estava arrasada. A sociedade reclamava por pão, empresas faliram, greves generalizadas aconteciam, a inflação engolia os salários, o exército lutava contra o povo, mas passava as mesmas necessidades que os revolucionários. O czarismo estava em crise. É então que Nicolau perde o apoio do exército. A Rússia estava dividida e precisava sair da guerra imediatamente.

Os bolcheviques se organizaram. Trotski criou o Exército Vermelho.
A burguesia com o apoio internacional lutou em fevereiro de 1917 contra os bolcheviques. Os burgueses lutavam contra a adoção imediata do socialismo e a subida dos operários ao poder. Os bolcheviques assumiram o poder, e os mencehviques apoiaram os cosacos contra a revolução. Foram três anos de guerra entre o Exército Vermelho e o Exército Branco, formado por representantes da alta burguesia e setores dominantes da sociedade.
Em outubro de 1917, o partido dos bolcheviques estava no poder. Lênin assumiu por ser o líder do partido comunista e Trotski o apoiou. O campesinato ampliou as reivindicações em defesa da reforma agrária e Lênin adotou o programa socialista democrático, seguindo a pauta camponesa, consolidando aliança com diferentes setores sociais.
Em julho de 1918 a família real foi executada e o rei Nicolau II teve a cabeça cortada. Instaurou-se a fase do comunismo de guerra: uma fase de guerra civil, em que a economia russa declinou, tornando-se necessário a adoção de medidas econômicas urgentes de desenvolvimento.
Lênin estatizou as empresas e indústrias sob a ditadura do proletariado

A NEP: NOVA POLÍTICA ECONÔMICA: “UM PASSO PARA TRÁS, DOIS PASSOS PARA FRENTE”.


Com o triunfo da revolução tornou-se necessário a reconstrução do país arrasado pela guerra civil, e pela crise econômica.

Lênin estava no comando da nação e acreditava que seria necessário retornar ao capitalismo, abrindo o país para o investimento estrangeiro, porém com a intenção de instaurar o socialismo. O capitalismo, portanto traria o aquecimento econômico de que a Rússia precisava, acelerando o desenvolvimento das indústrias e do próprio mercado.
O governo na URSS foi organizado de forma estatizada, ou seja, o Estado era o responsável por gerir programas e políticas, puxando as rédeas do país.  
Apesar de Lênin se encontrar no poder e lutar pela igualdade de classes, muitos no partido se opunham ao isolamento da URSS para a construção do socialismo, acreditando que a expansão do socialismo através de relações internacionais, como foi defendia Trotsky, traria maior segurança e força a URSS.
Na agricultura, ocorreu um processo de coletivização das terras e da produção. Uma espécie de reforma agrária, onde os camponeses deveriam produzir para o consumo próprio. Neste momento da estruturação política, muitos camponeses migraram para as cidades, ocorrendo um choque com os operários.
A NEP foi implementada em 1921, e teve como objetivo direcionar os investimentos para a indústria criando os trustes, ou seja, concentração de estabelecimentos do mesmo tipo de produção em escala nacional. Ela também subsidiou um plano agrícola para os agricultores, privatizou empresas, gerando o crescimento da economia.

A MORTE DE LÊNIN E NOVAS DIRETRIZES POLÍTICAS.

Em 1926 Lênin morreu, tendo inicio uma nova disputa de poderes.  
Trotski alimentava o sonho de internacionalizar o socialismo, enquanto Stalin acreditava na manutenção da ditadura do proletariado e também no isolacionismo da URSS.
A dúvida girava em torno do próprio socialismo. Seria a hora de implementá-lo? A URSS estaria preparada economicamente?
Em 1929 Stalin subiu ao poder. Em sua política a nacionalização estava em primeiro plano, assim como a produção e formação de cooperativas agrícolas de caráter coletivo: Kolcoses. Metade da produção produzida pelos camponeses iria para o Estado, que através do dinheiro arrecadado investia na industrialização pesada.

Foto de Stalin, sucessor de Lênin

O governo de Stalin criou os campos de concentração de trabalho, onde civis contra a revolução ou contra o governo eram enviados para trabalhar sob um regime de escravidão e detenção.
Em termos políticos o governo de Stalin ficou marcado pela tortura, perseguição aos bolcheviques, exílios e campos de concentração. A sociedade não possuía o direito de contestação. Um exemplo foi a perseguição sofrida por Trotski, que se exilou no México, mas acabou assassinado.
Em termos econômicos, o novo ditador decidiu pelo retorno a NEP e também pelo aumento dos kolkoses, como unidades produtivas no campo. Muitos camponeses continuaram a migrar para as cidades, gerando uma massa sobrante de mão de obra nas cidades.
Era o tempo da modernização das indústrias com a entrada de novas máquinas para o campo e para cidade.
Em 1933 foram implementados os Planos Quinquenais de investimento maciço na indústria pesada e na coletivização da agricultura. O Estado planejava e direcionava todos os setores: político, econômico e social. Iniciava-se o socialismo na URSS.

APROFUNDE OS CONHECIMENTOS: TELE AULA SOBRE A REVULUÇÃO RUSSA.



 

Nenhum comentário: