Participe do Blog Pensando Alto!

30 de janeiro de 2013

VIAJANDO PELO BRASIL: CONHECENDO A CHAPADA DIAMANTINA – BAHIA. HISTÓRIA, ROTEIRO DE VIAGEM E CULTURA LOCAL.



Foto do Morro do Pai Inácio. (Por Clarissa Barros).
Este post busca realizar uma curta análise do desenvolvimento histórico e econômico da região da Chapada Diamantina localizada no interior da Bahia. Atualmente a região denominada como Parque Nacional da Chapada Diamantina, além de ser área de proteção e reserva ambiental, chama atenção pelo crescimento do turismo ecológico voltado para a visita de viajantes aventureiros interessados e contemplar e conhecer as belezas naturais.
Observando a geografia local, a formação física da Chapada Diamantina é composta por vales com formações rochosas altas, exuberantes e chapadas, canyons, grutas, e cachoeiras gigantes como o Burucão (localizada no municipio de Ibicuara), e a Fumaça (localizada no Vale do Capão.), onde nascem os rios das bacias do Paraguaçu, Jacuipe e Rio de Contas. O Vale do Pati, um dos principais roteiros turísticos da Chapada Diamantina, tem como atrativos as formas de relevo ali existentes, representados por cachoeiras, cavernas, morros e vales cercados por paredões escarpados.

Cachoeira da Fumaça (Vale do Capão)
Poço Azul

Canyon da Cachoeira do Buracão
Formações rochosas. Vista de Guiné.

Cachoeira do Buracão.
Cachoeira da Fumacinha.

A vegetação do Parque Nacional da Chapada Diamantina é resultado de uma rica biodiversidade típica do sertão baiano, que diversifica espéies de caatinga nas partes altas dos vales e serrado ao fundo. A seca da região é uma realidade comum dos moradores, que em defesa da preservação ambiental da região unem-se em brigadas voluntárias para combater os incêndios criminosos que chegam a queimar serras e vales inteiros. A brigada voluntária do Vale do Capão em conjunto com a ACV-VC – Associação de Condutores de Visitantes do Vale do Capão, realiza um trabalho de contenção dos incêncios e educação ambiental junto aos turistas e moradores da região: um exemplo de cidadania e consciência ecológica para todos que vistam o parque e o Vale do Capão.

 
A cultura local é bastante rural, as cidades são pequenas, estratadas de terra batida, a culinária é bastante farta e desfruta da critividade nativa para enriquecer os pratos típicos que incluem carne de sol, galinha caipira, godó de banana, pastel de palmito de jaca, palma, maxixe, e licores diversos.
O trekking é uma das opções comuns entre os turistas aventureiros, que com os mochilões nas costas andam o Vale do Pati tendo como base a casa dos nativos, que como Dona Raquel, habitaram o Vale antes da elaboração da lei no 6983, que estabeleceu a Política Nacional de Meio Ambiente, em 1981; com a promulgação da Constituição de 1988, a primeira do planeta a prever a avaliação de impacto ambiental, que posteriormente determinou a criação na década de 1990 do Parque Nacional da Chapada Diamantina, hoje administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Casa de Dona Raquel.
A partir dos anos 1980, ocorreu um grande incentivo às atividades turísticas, principalmente, em espaços rurais, encaradas como uma das principais alternativas de desenvolvimento local. Essas iniciativas surgem buscando promover a proteção do meio ambiente, e gerando empregos e lucro à população nativa através do uso sustentável do espaço rural.
Ficar hospedado na casa dos nativos é uma boa maneira do turista conhecer a cultura e história local, que envolve o contato com as famílias, comidas típicas, medicina natural com ervas e plantas típicas (a argila em suas múltiplas propriedades é uma delas), e pessoas de toda parte do país e do mundo.
Entretanto, a atividade turística implementada na Chapada já vem dando sinais de desequilíbrio ambiental devido ao crescimento da atividade turística sob a negligência do governo. A falta de planejamento contribuiu para que o turismo acabe por contriuir também para a degradação ambiental (poluição dos recursos hídricos, devido ao aumento do lançamento de dejetos líquidos nos cursos d´água, acúmulo de resíduos sólidos e desmatamento), o crescimento de casos de violência, especulação imobiliária, marginalização e favelização da população local, aumento de preços dos gêneros alimentícios (para turistas e moradores), ocupação desordenada do espaço urbano, exploração de mão-de-obra infantil e de adolescentes, etc.
Infelizmente é comum ver turistas acampando em cachoeiras e grutas, fazendo fogueiras, deixando o lixo no parque, arrancando plantas silvestres, entre outros hábitos que degradam a região e exemplificam atitudes erradas para outros visitantes.
Preservar o que é nosso é muito importante!

UM POUCO DE HISTÓRIA LOCAL...
Casas abandonadas ilustram a dificuldade da vida rural na Chapada Diamantina.
A criação e ocupação das cidades e vilas da Chapada Diamantina é fruto direto da exploração do diamante. Antes da descoberta desta pedra preciosa a região era vagamente povoada e ainda comandada pelo índios Maracás, que respondiam com violência à chegada de forasteiros. A agropecuária praticada nas grandes fazendas era a atividade econômica principal.
Em 1710, com a descoberta de ouro no sul da Chapada (próximo ao rio de Contas Pequeno) e a consequente chegada de bandeirantes e exploradores vindos de outros pólos mineradores, começou a colonização da região.
Em 1844, com o anúncio da descoberta de diamantes muito valiosos próximo ao rio Mucugê, começou a corrida pela pedra na região. Garimpeiros vindos do Arraial do Tijuco (hoje Diamantina) e locais já em crise devido ao fim do ciclo do ouro puxaram a população itinerante que explorava o Brasil atrás de riquezas. Comerciantes, colonos (responsáveis pelas plantações), jesuítas, contrabandistas e estrangeiros se espalhavam em vilas marcadas pela falta de leis e autoridades oficiais.
O esgotamento parcial das jazidas de diamante foi agravada pela descoberta de novas fontes no sul da África, iniciando um longo período de recessão e pobreza. As atividades agropecuárias voltaram a ser a principal fonte de renda e emprego da região, ao mesmo tempo que favoreciam a concentração de poder e dinheiro pelos grandes coronéis.

Monumento do Garimpo em Andaraí.
Cidade de Mucugê.
Palmeiras: cidade central da regiãoda Chapada Diamantina.
A formação das cidades de Lençois, Mucugê, Igatu e Andaraí estão relacionadas ao garimpo de diamantes. Com a queda da produção de diamantes no final do século XIX, a região da Chapada Diamantina passou a ser alvo da exploração do Diamante Negro, um minério de carbonato de cálcio utilizado em indústrias pesadas, e muito cobiçado pelos  europeus, em especial os franceses, para construção do Canal do Suez. A cobiça pelo Diamantine Negro foi passageira, e logo foi substituído por novos materiais resistentes e melhor condutores para a industria pesada.
Com o crescimento da produção cafeeira, o café passa a ser outro investimento dos latifudiários da região do Vale do Capão, Pati e Palmeiras. O coronelismo se tornou uma realidade na região. Os corenéis controlaram a política e dominaram a economia da região, com destaque ao Coronel Horacio de Matos.

Vale do Capão.
Painel histórico que retrata os diferentes ciclos econômicos da região.
Vale do Capão: hoje uma cidade turistica e de pessoas alternativas.
Durante A repúlica Café com Leite, a região da Chapada Diamantina se trounou o braço direito do governo mineiro e paulista, que revezavam-se na presidência do Brasil. O surgimento da Coluna Prestes como forma de combater o coronelismo e a corrupção política no país trouxe conflitos na região e deixou muitas histórias e relatos de nativos que por incrível que pareça, lutaram em defesa de seus coronéis.

ROTEIRO DE VIAGEM:

Assista aos vídeos sobre a viagem de 15 dias na Chapada Diamantina, que divide esta aventura em três vídeos repletos de fotos incríveis!

Vídeo Vale do Pati.

video

Esse vídeo mostra fotos e imagens do inicio da caminhada por Andaraí, descida pela Serra do Império e chegada no Vale do Pati de Baixo, onde ficamos na Casa de Jóia. A hospedagem contou com jantar, café da manhã e quarto para dois pelo preço de setenta reais a diária conjunta. Imagens da subida do Morro do Castelo e cachoeiras diversas como Funil e Calixto.

Vídeo Mucugê

Esse vídeo traz imagens da bela cidade de Mucugê, da cachoeira do Buracão e da Fumacinha em Ibicuara, entre outras maravilhas do parque.


video

Vídeo Vale do Capão

Nesta edição estão incluídos pontos turísticos como Morro do Pai Inácio, Cachoeira da Puricação, Poço do Diabo, Fumaça e bela cidade do Capão.

video



PROCURANDO GUIA? ACHOU!

Para desfrutar das belezas da Chapada Diamantina é aconselhável a presença de um guia local, que além de conduzir os visitantes aos secrets spots, também nos apresenta a cultura local e os nativos históricos da região. A ACV -VC - Associação de Condutores e Visitantes do Vale do Capão possui excelentes condutores, e através deles entramos em contato com o Uilton, apelidado por nós de  "Uil", que além de uma pessoa maravilhosa, nas caminhadas fez lanches saudáveis e nutritivos, e nos ensinou a importancia de preservar este patrimônio cultural que é a Chapada Diamantina. Os interessados podem entrar em contato com o Uil pelo e-mail: uiltonguia@gmail.com 



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Rodrigo Valle Cezar. Dissertação de Mestrado UNESP(2011). “Carta geoambiental da região turística do Vale do Pati – Chapada Diamantina, Ba”.
André Riani Costa Perinotto & Odaléia Telles Marcondes Machado Queiroz. “Território, ambiente, exploração e decadência da atividade mineradora e o processo atual de turistificação do espaço na Chapada Diamantina/BA”. In: HISTÓRIA AMBIENTAL & TURISMO. Vol. 4 - Nº 1 - Maio 2008 
Site: www.periodicodeturismo.com.br
Sobre a História da Chapada Diamantina, ver site: